COVID-19 e os impactos nas montadoras Brasileiras.

#COVID-19 #Indústria #Montadoras

Montadoras de veículos se pronunciaram referente à situação do avanço do COVID-19, que até segunda feira,16, registrava mais de 230 casos confirmados no Brasil. Muitas fabricas, como General Motors, FCA Fiat Chrysler, Renault e Mercedes-Benz; já adotaram o sistema de Home Office para as áreas administrativas das quais é possível esse trabalho. A produção segue dentro da normalidade, porém, com algumas medidas de prevenção a fim de conter a pandemia e preservar a saúde dos funcionários e de seus familiares. 

Para as empresas que decidiram por continuar o trabalho nos escritórios, recomenda-se aos funcionários, que evitem reuniões em grupos e utilizem – e intensifiquem – os meios digitais para a comunicação, tais como video conferência, email, plataformas de mensagens instantâneas e ligações telefônicas. As montadoras também estão reforçando os serviços de higienização dos locais laborais, além de informar aos seus funcionários sobre as medidas de cunho particular, como evitar contato físico e manter distância mínima de um metro, além de higienizar as mão várias vezes ao dia e usar álcool em gel frequentemente. 

As viagens internacionais já foram suspendidas por muitas empresas, como a Toyota, que cancelou todas as viagens para a China, Taiwan, Coreia do Sul, Itália, Irã, França, Alemanha, Espanha, Japão e Estados Unidos. 

A Volvo informou a seus funcionários que antecipará a vacina interna contra a gripe, a fim de facilitar o diagnóstico em caso de outras viroses e doenças. 

As demais empresas de origem sul-coreana, confirmam que não há risco de falta de peças importadas neste momento.

As recomendações segundo a OMS são: lavar as mãos com sabonete e água e usar álcool em gel sempre que possível, cobrir o nariz e a boca sempre que espirrar ou tossir, evitar aglomerações (locais com mais de 50 pessoas), manter os ambientes bem ventilados, não compartilhar objetos de uso pessoais, se hidratar bebendo água e manter uma alimentação saudável. 

A grande aposta dos próximos anos para o mercado automobilístico.

#ProjetodePeças #Indústria #PeçasMetálicas

A montadora Tesla atingiu nesta terça-feria (10) o marco de 1 milhão de carros elétricos produzidos desde sua fundação. A Tesla é uma empresa privada de capital aberto que foi fundada em 2003, pelos engenheiros Martin Eberhard e Marc Tarpenning em San Carlos, Califórnia. Agora, com valor acima dos 100 milhões de dólares, supera a americana Ford. 

A Tesla se diferencia das demais montadoras por ser totalmente focada na produção e desenvolvimento de carros totalmente elétricos. Algumas outras marcas automotivas tradicionais também tem se mostrado preocupadas com o desenvolvimento de componentes para motores e transmissões para veículos elétricos e produtos à base de baterias, porém, a Tesla continua como pioneira no ramo. É importante ressaltar que, a empresa também foi afetada pela crise do Corona Vírus (Covid-19) e a queda no preço do petróleo nos últimos dias, refreando em 13% suas ações na segunda feira (09).

No final do ano passado, a Bayerische Motoren Werke AG (BMW) atingiu o número de 500 mil carros eletrificados vendidos. No Brasil, a empresa vendeu cerca de 300 veículos eletrificados entre 2014 e 2018 e, só no ano passado, a marca atingiu número análogo. 

Já a alemã Volkswagen, anunciou em novembro de 2019, que lançará cerca de 70 modelos de carros com motorização elétrica até 2028. 

O mercado nacional de veículos elétricos e híbridos deve crescer de 300% a 500% nos próximos cinco anos, segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (Abve). A projeção mundial é ainda mais otimista. Segundo o relatório da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), 56 milhões de carros elétricos circularão até 2040. Hoje são 2 milhões de veículos desse tipo nas ruas de todo o mundo.

Economia para o mercado automotivo em 2020

#ProjetodePeças #Indústria #PeçasMetálicas

A recuperação da economia e, consequentemente, de emprego e renda, deve aumentar a confiança do consumidor para a compra de um carro ou uma moto. O mercado automotivo tem sinais otimistas no início do ano com a perspectiva de crescimento, com a taxa de juros mais baixa e maior disposição dos bancos na oferta de crédito. Uma pesquisa feita na Webmotors, indica que 88% dos usuários pretendem trocar de carro esse ano, e 93$% do público que ainda não possuiu veículo, almeja adquirir um em 2020. 

O primeiro bimestre deste ano apresentou retração em relação ao ano anterior, afirma a ANFAVEA (Associação Nacional dos. Fabricantes de Veículos Automotores), com somente 58 mil veículos vendidos no Brasil. Entretanto, segundo Luis Carlos Moraes, presidente da associação, todo primeiro bimestre do ano é marcado por um mercado fraco, devido ao feriado de carnaval, mercado interno lento e exportação em baixa, porém, no segundo bimestre, é esperado um aumento no emplacamento. 

Em conformidade com a ANFAVEA, a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (ABEIFA) espera um aumento de 22% nas vendas de 2020, mesmo com a alta do dólar. O setor aguarda decisões do governo sobre uma possível redução na taxa de importação, hoje em 35% – que é o limite máximo imposto pela OMC.

Marcos Silva, presidente da Nissan no Brasil, também acredita no crescimento do mercado automotivo em 2020. “Estamos muito confiantes para 2020, assim como pensando em 2021 e 2022. Vi uma retomada do crescimento do mercado, que havia caído abruptamente desde 2012, mas é claro que essa retomada será muito lenta, mas acreditamos em um crescimento de quase dois dígitos neste ano”, comentou.

Sobre o Corona Vírus

De acordo com relatório da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), o Covid-19 causará recessão econômica em alguns países, bem como a desaceleração do crescimento anual global abaixo de 2,5%. Entretanto, para Luiz Carlos Moraes “A epidemia pode impactar o fornecimento de auto-peças vindas da China e de países afetados, o que poderia abalar a cadeia das montadoras brasileiras, mas por enquanto a produção no Brasil se mantém inalterada”.