Investimentos e a nova linha de extrapesados da Volkswagen

#2020 #Volkswagen #Indústria #Automotores

A Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO) investe R$500 milhões em ampliações e modernização industrial em sua planta em Resende (RJ) para fabricação e estudos em extrapesados. Além disso, outros R$500 milhões foram destinados ao desenvolvimento de novos cavalos mecânicos, incluindo trabalhos de engenharia, nacionalização de componentes, montagem de protótipos e testes de rodagem em seis estados brasileiros e também no exterior.

O projeto da nova linha de extrapesados, Meteor, já consumiu metade da verba total (R$1 bilhão). A nova família auto da VWCO, representa o resultado de todos os estudos de desenvolvimento acerca da Indústria 4.0, realizada pela companhia até o momento. Pois, os caminhões contarão com tecnologias inéditas que promovem conectividade entre motorista e máquina.

Os veículos foram paramentados com equipamentos para monitorar e colher dados de 300 pontos do caminhão, desde um suporte de roteiro de chicote a um eixo inteiro, consolidando assim o maior programa de aquisição de dados da VWCO.

O Brasil é o primeiro país no mundo a fabricar caminhões de grande porte da marca. Para isso, precisou-se fazer alguns ajustes em sua fábrica em Resende, para conseguir desempenhar todas as aplicações da “quarta revolução industrial” também conhecida como “Indústria 4.0”. A manufatura passou a ser digital e integrada, fazendo com que todos os processos sejam altamente automatizados e interconectados em rede de dados, visando o monitoramento dos processos.

A companhia se orgulha em apresentar os novos caminhões com alto índice de nacionalização, integrando diversos fornecedores brasileiros em seu projeto.

Petrobrás passa a produzir nova gasolina

#2020 #Petrobrás #Indústria #Automotores

Devido à constatação de efeitos negativos nos automóveis, gerados pelo combustível vendido no Brasil, como quebra de motores novos depois do abastecimento e aumento de consumo, a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) passou a adotar novas especificações em sua fórmula, adaptando o RON – sigla em inglês para Research Octane Number, método de pesquisa mais usado na Europa, que avalia a resistência da gasolina à detonação com o motor carregado e em baixa rotação de até 3000 rpm – que era baixo.

 “Tínhamos à venda no País gasolina com massa baixa, chegamos a ver com 680 kg/m3, que aumenta o consumo. Por isso foi importante especificar o mínimo de 715 kg/m3 que passa a valer agora”, explica Rogério Gonçalves, especialista em combustíveis da Gerência de Desenvolvimento de Produtos da Petrobras. A nova gasolina, reduz o consumo de 4% a 6%. A Petrobras então, já está produzindo gasolina mais eficiente em todas as suas refinarias. O combustível tem novas especificações de octanagem e massa prevista pela ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), que em sua Resolução 807/20, publicada em janeiro deste ano, determina que a partir de 3 de agosto próximo toda gasolina vendida no País tenha no mínimo 92 octanas medidas pelo método RON e peso mínimo de 715 kg por metro cúbico.

General Motors é reconhecida por excelência na utilização de energia sustentável

#2020 #GeneralMotors #Indústria #Automotores

A fabricante General Motors, foi reconhecida por sua excelência em utilizar a energia de modo consciente, registrando 56% de redução no consumo de gasto médio por veículo, nas instalações de Rosario, na Argentina, e no setor de estamparia da unidade de São José dos Campos, entre 2003 e 2019. O prêmio, chamado Energy Star Challenge for Industry, é um padrão internacional para o consumo eficiente de energia. As plantas de Gravataí (RS), São Caetano do Sul (SP), Mogi das Cruzes (SP) e Equador já haviam sido premiadas.

A conquista está relacionada às iniciativas da companhia, em obter um futuro mais consciente e sustentável. A operação de Rosario, reduziu seu consumo por unidade em 10,4% entre 2017 e 2019 e a fábrica de estamparia, do Complexo Industrial de São José dos Campos diminuiu em 24,3% no mesmo período.

Tal eficiência energética foi alcançada graças à otimização dos processos produtivos, a substituição da iluminação antiga por LED, a eliminação contínua de desperdícios de ar comprimido, o desligamento eficiente dos equipamentos em horários não produtivos, a substituição de compressores e motores por máquinas mais eficientes e com variador de velocidade, e por fim, através do treinamento e conscientização dos funcionários para o uso eficiente da energia e eliminação dos desperdícios.

A empresa é a única que recebeu o prêmio na América do Sul.

Além deste, sua fábrica no Equador recebeu o reconhecimento pela certificação ISO 50.001, pelo Energy Insight Award, concedido pelo Clean Energy Ministerial. A condecoração celebra a liderança no campo da gestão eficiente da energia. As unidades de São Caetano do Sul, Mogi das Cruzes, Gravataí e Rosario também possuem a glória.

Além de ser bom para o meio ambiente, o consumo de energia elétrica de forma consciente pelas indústrias, resulta positivamente em seu parâmetro financeiro. Fazendo a substituição por elementos renováveis na maneira de produzir eletricidade, esta estratégia vai refletir na redução dos custos de produção e, consequentemente, maior economia para a companhia.

Novo Peugeot 208

#2020 #Peugeot208 #Indústria #Automotores

A Peugeot do Brasil anunciou o primeiro teaser da nova geração do modelo compacto, o 208, que será produzido na Argentina. O veículo vai ser o primeiro a ser feito sobre a nova plataforma modular do grupo PSA, a CMP – Commom Modular Platform. Segundo o comunicado concedido pela montadora, o modelo contará com um equipamento 3D chamado i-Cockpit, em que fornecerá informações para o motorista, através de imagens em três dimensões. A tecnologia oferece cinco modos de visualização, sendo dois personalizáveis, de acordo com as preferências do condutor.

Destaca-se também, que, as suspensões passaram por adaptações, com cerca de 10 mm de elevação, bem como a calibração dos sistemas. O motor 1.6 EC5 também teve que ser modificado, com novos suportes e novo cárter de óleo.

Já em seu interior, os bancos contam com revestimento Alcantara original na versão de topo, sistema multimídia com Apple, CarPlay e Android Auto e o painel 3D já mencionado. Além de partida por botão, ar condicionado digital e câmbio automático. O carro promete ser o mais moderno de sua categoria.

A versão elétrica do carro será importada da França e vendida como GT-Line. O modelo no Brasil se chamará 208 e-GT e seu lançamento será simultâneo às demais versões.

Volvo supera Audi no primeiro semestre de 2020

#Volvo #Audi #Indústria #Automotores

A Volvo Cars encerrou o primeiro semestre de 2020 à frente da Audi em números de emplacamento. Foram 2.690 unidades emplacadas no período, o que garante o terceiro lugar entre as marcas do segmento premium, ficando atrás somente da BMW (com 4.497 unidades) e Mercedes Benz (3.114).

“Vamos batalhar pela segunda posição no segundo semestre. A diferença que nos separa da Mercedes é semelhante à vantagem que a Audi tinha sobre a Volvo no primeiro semestre do ano passado”, recorda o diretor geral de operações da Volvo Cars, João Oliveira.

O bom desempenho  se deus graças aos utilitários XC40 e XC60, que foram lançados há mais de dois anos no Brasil e o primeiro, recebeu uma opção híbrida logo no início do ano.

 “Em volume, são mesmo estes dois modelos que vão nos ajudar nessa busca pelo segundo lugar”, diz Oliveira.


Apesar de contar com a crise econômica que o país está passando, o diretor da empresa acredita ainda, que o ano irá se encerrar com números positivos. Esse alcance se dá por meio das vendas de carros híbridos e 100% elétricos no país. 

 “A marca vem investindo para apresentar seus produtos eletrificados ao consumidor, instalou quase 300 eletropostos e fez um esforço de comunicação muito grande”, afirma Oliveira. Considerando o mercado total de híbridos no País, a fatia da Volvo é de 14%.

Os investimentos e a nova divisão interna da Volkswagen

#Volkswagen #Investimentos #Indústria #Automotores

O Grupo Volkswagen promete investir mais de €7 bilhões no desenvolvimento de softwares e tecnologias embarcadas em seus veículos nos próximos anos. Com a nova divisão interna do grupo, chamada Car.Software, a montadora quer elevar a participação ativa das tecnologias desenvolvidas, preservando seu domínio por elas. “Até 2025, queremos aumentar para 60% a parcela de softwares com desenvolvimento próprio. Atualmente essa proporção é inferior a 10%”, afirma o CEO da Car.Software, Christian Senger. 

O grupo visa manter esse controle de toda a arquitetura do veículo – sobretudo os eletrônicos – para preservar as informações que serão compartilhadas quando o desenvolvimento de seus produtos tiverem a participação de outras empresas. Para o CEO, essa seria o único jeito de garantir a competitividade em longo prazo. Também acredita que esse esforço vale a pena por causa do grande volume de vendas de todo o grupo (11 milhões de unidades em 2019). A produção em grande escala permitirá amortizar os custos de desenvolvimento. 

Christian também menciona que um dos grandes diferenciais da marca é saber lidar com toda a complexidade do automóvel, desde sua fabricação até o desenvolvimento dos softwares necessários. Um de seus objetivos, é criar um sistema operacional padronizado para as marcas do grupo. A nova eletrônica permitirá atualizações e serviços de software na nuvem para que os motoristas possam baixar novos produtos e atualizações digitais a qualquer momento. 

Setor de máquinas agrícolas cresce em meio às paralisações

#MáquinasAgrícolas #Paralisação #COVID19

A indústria automotiva continua sofrendo os impactos da pandemia, que se iniciou na China, em janeiro. O país asiático é o maior mercado de veículos do globo e também um importante fornecedor de autopeças, o que ocasionou em uma ruptura considerável na importação de peças de outros países. Devido às medidas de presenças tomadas pelo país asiático, a produção chinesa pôde ser retomada em março, enquanto começavam as paralisações na Europa e Américas. 

Contudo, no Brasil, a venda de máquinas agrícolas e rodoviárias conseguiu registrar um crescimento dentro desses cinco meses de instabilidade, ao contrário do que verificou-se com os demais segmentos da indústria. “Embora não seja um crescimento tão claro porque se trata do repasse das fábricas para as concessionárias e não para o consumidor final, também é verdade que este é o maior acumulado para o período desde 2017”, afirma o vice-presidente da Anfavea, Alfredo Miguel Neto.

O setor é movido pela produção de grãos e consumo de carne bovina, suína e aves. A CONAB destaca que, apesar do impacto causado por problemas climáticos na região Sul, a produção de soja e milho devem apresentar record de produção. “Esperamos agora pelo anúncio do Plano Safra, que deve ocorrer no dia 15 deste mês”, recorda Miguel Neto.

Ele também ressalta que o crescimento nas vendas do setor até o fim do ano dependerá de um Plano Safra com juros alinhados à taxa Selic e do total de crédito suficiente por um ano inteiro para Pronaf, Pronamp e Moderfrota, além da ativação rápida das linhas de crédito.

Home Office e digitalização são as novas apostas para o setor automotivo.

#Digitalização #HomeOffice #COVID19

Uma série de empresas do ramo automotivo aderiram a transformação no modo de trabalhar e produzir, o chamado Home Office. A flexibilização da jornada e o exercício remoto vieram para permanecer pós covid19, pelo menos em partes. Segundo uma pesquisa realizada pela revista Automotive Business, em parceria com a Roland Berger, mais da metade dos entrevistados (51,3%) disseram que trabalhar de casa tem se traduzido em melhor equilíbrio entre vida profissional e pessoal. Parcela de 42,2% notaram aumento da produtividade trabalhando de casa e 51,3% afirmaram que a adoção de políticas de trabalho remoto será o principal legado da crise atual.

Entretanto, 53,7% dos respondentes do Termômetro do Setor Automotivo disseram que as empresas em que trabalham não tinham nenhuma política de home office até então. Portanto, a partir dessa análise vê-se que é necessário que as empresa pensem em meios de ensinar e orientar seus trabalhadores para lidarem com as inovações tecnológicas que estão sendo essenciais nesse momento. 

O modelo de trabalho remoto chegou ao Brasil recentemente, na bagagem das empresas multinacionais e embalado como benefício no pacote de horários flexíveis. Estima-se que a solução esteja presente na vida de 31,2% das empresas brasileiras, contudo, como esse dado foi concluído antes da crise de CoronaVírus, espera-se que esse número seja ainda maior. Visto que, muitas companhias aderiram ao modelo de trabalho como alternativa para não pararem.

Flexibilidade, ausência de engarrafamentos, ônibus lotados e entre outras vantagens fazem do escritório em casa uma ótima opção para os novos tempos. Depois da ascensão da internet podemos dizer que o mundo mudou e para as instituições continuarem exercendo suas atividades, terão que se adaptar aos novos tempos. 

Intel compra Moovit por R$900 milhões.

#Intel #Moovit #Automação

A Intel anunciou a compra da Moovit, empresa líder em soluções de Mobilidade como Serviço (MaaS). A organização ficou conhecida em 2012 quando criou o aplicativo Moovit gratuito para Android e iOS. O aplicativo reúne informações oficiais das autoridades e operadores de transporte público junto aos dados da comunidade Moovit para oferecer a melhor rota em tempo real para o usuário. Segundo a empresa de tecnologia Intel, o objetivo da compra é a complementariedade de dois negócios: a Moovit e a Mobileye – a segunda, é uma empresa pertencente à Inter especializada em sistemas de sensores e câmeras que permitem aos veículos enxergar e traçar cenários. 

A Intel já era uma das principais financiadoras da Moovit, que cresceu em um núcleo de startups voltadas à mobilidade urbana, e ambas trabalhavam juntas desde 2018, entretanto, agora, com os algoritmos da startup usados na análise de tráfego, o ADAS da Mobileye ficará mais preciso, permitindo a redução do trânsito” – segundo o CEO da Intel Bob Swan. “A tecnologia da Mobileye já contribui para melhorar a segurança de milhões de carros nas estradas e a Moovit acelera a habilidade de revolucionar o transporte ao reduzir congestionamentos e salvar vidas” – afirma Swan sobre a congregação das empresas.

Em comunicado, a companhia aponta que, com a compra, poderá oferecer soluções completas de mobilidade para veículos autoguiados. A organização estima que este mercado chegará a R$160 bilhões em 2030

Mesmo com o cenário econômico não sendo tão vantajoso para os negócios, a companhia afirma que sua estratégia está sendo investir e expandir seus negócios enquanto concorrentes recuam, permitindo-lhe assumir a dianteira quando a pandemia passar. 

A retomada da Mercedes-Benz.

#COVID-19 #Indústria #Mercedes-Benz

A Mercedes-Benz afirmou que pretende retornar às suas atividades a partir da primeira semana de maio. A Organização mantém suas operações estagnadas desde o dia 23 de março. “A estratégia é tema de reunião diária da companhia” afirmou Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz Brasil e da Daimler América Latina.

“O cenário ainda é volátil e só vamos voltar a produzir de fato se for seguro para os nossos funcionários, mas entendemos que até esta data o cenário será favorável”, diz o executivo. A retomada vai acontecer de forma gradual, “Estamos neste momento negociando isso com o sindicato.” 

Schiemer aponta que cortes no quadro de funcionários não está entre as possibilidades mais próximas. 

Apesar da enorme preocupação com a falta de liquidez e com o caixa da organização, o presidente afirma que os negócios continuarão para alguns segmentos de veículos, já que a demanda por transporte permanece em certa proporção. “Temos visto movimentação no setor agro e entendo que alguns segmentos que já têm frota mais velha vão continuar renovando”, projeta

Com a crise, as vendas caíram cerca de 50%. Esse cenário vai ser mostrado nos emplacamentos daqui pra frente. O presidente ainda afirma que é cedo para se falar em investimentos, e que a prioridade no momento, e analisar o melhor cenário e manter a organização com seus recursos e funcionalidades.